RESISTÊNCIA AERÓBICA E ANAERÓBICA

"Deixa de pensar como se não estivesses deixando. Observa as técnicas como se as não observásseis. Não há ensinamento fixo. Tudo o que posso lhe dar é um remédio certo para uma indisposição determinada." (Bruce Lee)

 

   O que é resistência? É a capacidade que tem o corpo de suportar uma atividade, adiando a aparição da fadiga.

   Cada movimento ou atividade requer uma forma diferente de resistir, por isto podemos dizer que também existem diferentes tipos de resistências. A aeróbica, que é como uma base que o organismo tem para realizar outras atividades sem recair em seguida no esgotamento, e a anaeróbica, que nos permite realizar esforços de curta duração, mas de grande intensidade.

   Mediante as diferentes situações onde pomos nosso corpo à prova, tentamos superar aos poucos o cansaço o mais rapidamente possível, para assim continuar a atividade durante mais tempo.

   A resistência aeróbica é a capacidade que o indivíduo tem para realizar um esforço de intensidade média e durante um tempo o mais longo possível. Atualmente a resistência é relacionada com a saúde, de tal forma que os indivíduos mais resistentes são também os mais saudáveis.

   Qualquer esforço repercute em nosso organismo, e a resistência aeróbica produz efeitos que nos ajudam a superar os esforços de maneira favorável. Entre outros, melhora a capacidade cardíaca, aumenta o volume do sangue mandando para o coração a cada sístole, diminui a freqüência de pulsações, coloca em funcionamento maior número de capilares quando o músculo está em movimento.

   A resistência anaeróbica inclui os esforços de curta duração, e de grande intensidade. Alguns exemplos: saltos, lançamentos, arrancadas, batidas, chutes, socos. Estes esforços são tão intensos, que rapidamente provocam a falta de oxigênio durante o esforço, do que nosso sangue pode mandar.

   Esta “dívida” será “paga” logo que realizamos o esforço (trabalho), quer dizer, no período de recuperação.

   Falando da resistência anaeróbica, temos que distinguir dois tipos, que tem duas fontes de energia.

-   RESISTÊNCIA ANAERÓBICA LÁCTICA: É a realizada com esforços intensos e com duração de 30 segundos ou mais, não dando tempo ao organismo de se recuperar, assim o sangue se sobrecarrega de ácido láctico (AL), produzindo a partir deste momento efeitos negativos no rendimento, pelo que se deve deixar um tempo de pausa antes de recomeçar. Alguns exemplos: uma corrida de 400m; socar o saco de treino durante mais de 30 segundos; luta pesada, etc.

-   RESISTÊNCIA ANAERÓBICA ALÁCTICA: Como o nome indica, há falta de ácido láctico. O tempo de atuação é tão curto que não há tempo para que o AL se acumule no sangue, sendo o esforço igual ou mais intenso que o anterior. Exemplos: todos os gestos que não passam de 15 a 20 segundos, a arrancada de um chute ou de um soco, um lançamento de um homem, ou um salto. Este tipo de treino pretende aumentar as reservas alcalinas do nosso organismo e desta forma podemos suportar o acúmulo de ácido láctico no sangue, o que permite que continuemos a atividade; também aumenta o calibre das paredes do coração; nos permite agüentar esforços em que sobem muito as pulsações (190 a 200 pulsações, ou até mais).

   Os esforços que aumentam muito nosso ritmo cardíaco (palpitações forte e rápidas) são anaeróbicos e os que as pulsações não superam 170 a 180 pulsações por minuto são aeróbicos. Sabendo disto podemos controlar um pouco nosso esforço, dirigidos por um treinador.

   Devemos fazer um treinamento progressivo, assim evitamos lesões, tanto musculares como cardíacas. A corrida contínua é o primeiro passo da resistência.

   Vamos aumento o ritmo da corrida à medida que vamos tendo facilidade em correr. O ideal seria correr diariamente de 10 a 15 minutos seguidos. O passo seguinte seria o cross-country, quer dizer, corridas pelo campo, montanha ou similar.

   O “farlek” ou jogo de corridas, como o nome indica, intercala corridas rápidas, curtas, lentas, subidas, descidas, planos, tudo o que puder, sem parar. O tempo de duração varia de 20 a 45 minutos. O principal é manter as pulsações subindo e descendo continuamente.

   O circuito é outro meio de treinar a resistência. Consiste em realizar determinado número de exercícios (8 a 12) seguidos e sem interrupções. O tempo de ação é de 10 a 30 segundos cada exercício, e entre um e outro exercício o mesmo intervalo. Só termina o circuito quando fizermos todos os exercícios, e pode ser repetido de uma a três vezes.

   A resistência é uma qualidade física que podemos dividir em geral e específica, sendo a primeira básica e universal a todas as artes marciais, e a segunda, particular à especialidade escolhida, que vai depender do tipo de esforço que nos exija.

   Cada arte marcial emprega alguns grupos musculares com freqüência e sobre estes deve recair o desenvolvimento da resistência específica, sendo esta a fase denominada resistência muscular.

   Primeiro, obtemos uma resistência básica, durante os sistemas de treino aeróbicos, para passar posteriormente a um desenvolvimento aeróbico geral, finalizando com a melhora da resistência muscular, mediante a repetição metódica dos exercícios técnicos.

 

Figura nº 01

Resistência desenvolvida com corridas na praia.

 

Figura nº 02

Resistência desenvolvida com corrida no mesmo lugar.

Figura nº 03

1) Socos no saco; 2) Saltos com flexão das pernas (2 tempos); 3) Subir e descer pelas escadas; 4) Fundos de braços; 5) Saltos na corda; 6) Abdominais; 7) Chutes com alvo; 8) Flexão no solo. Todos os exercícios devem ser realizados na velocidade máxima, 15 segundos para cada estação e 10 segundos de intervalo.
Hosted by www.Geocities.ws
GridHoster Web Hosting
1