Principal  

 

PROCESSO DE ENFERMAGEM

Coleta de dados (Entrevista)  Diagnóstico de enfermagem  Planejamento da assistência  Inplementação  Avaliação

 

EXAME FÍSICO DETALHADO

Pele  Face e crânio  Olhos  Nariz  Boca  Pescoço  Tórax  Aparelho respiratório  Aparelho cardiovascular  Aparelho digestório  Aparelho urinário  Exame da mama  Genitalia feminina  Genitalia masculina  Aparelho locomotor  Anexos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

APARELHO DIGESTÓRIO

 

Inspeção: a inspeção do abdome inclui a observação de uma superfície quanto: a forma ao contorno, assimetria, a característica da pele e à ocorrência de movimentos visíveis na parede.

Semiotécnica: a observação deve ser iniciada com a enfermeira posicionada em pé e a direita do paciente. Entretanto, para melhor visualização do contorno da parede abdominal, bem como na procura por peristase visível, a enfermeira poderá sentar-se ou abaixar-se de maneira que consiga perceber a tangencialidade da parede.

Contorno: o abdome pode apresentar-se plano, arredondado, protuberante, escavado e ascitico.

Forma: pode também, estar marcada pela presença de saliências ou de profusões localizadas que, além de alterar a assimetria pode sugerir a existência de massas erniações ou visceromegalias. Ao observa-las, a enfermeira deverá descreve-las, indicando as respectivas localizações.

Cicatriz umbilical: normalmente está localizada na linha média e é invertida, podendo apresentar-se plana, e vertida ou com sinais de inflamação ou hérnia.

A pele da parede abdominal deve ser observada quanto a: integridade e a presença de cicatrizes, as quais devem ser descritas em relação a localização e as características, assim como outras marcas anormais como manchas, trajetos venosos dilatados e estrias.

 

Os movimentos na parede abdominal devido aos peristaltismos, as vezes são observados em pessoas muito magras. As pulsações da aorta também podem ser visíveis em pessoas magras, em região epigástrica, sendo consideradas normais.

Ausculta: avaliação dos ruídos intestinais, ocorrem em conseqüência dos movimentos peristálticos e do deslocamento de ar e líquidos ao longo dos intestinos, constitui a principal finalidade da ausculta abdominal. Utilizando um estetoscópio com o diafragma previamente aquecido, a enfermeira deve iniciar a ausculta abdominal pelo quadrante inferior direito, aplicando leve pressão e identificando a presença e a qualidade dos ruídos intestinais. Podem ser necessários até cinco minutos de ausculta continua antes que se possa determinar a ausência de ruídos hidroaéreos. Quando for difícil de ausculta-los a enfermeira deve prosseguir sistematicamente repetindo a ausculta por 2 a 5 minutos em cada um dos demais quadrantes abdominais.

Avaliar freqüência e intensidade dos ruídos hidroaéreos.

Os sons tipo gargarejo ou borbulhar são característicos em uma freqüência irregular que pode variar em cinco e trinta e cinco por minutos, dependendo da fase de digestão em que se encontra o paciente.

A intensidade é descrita em geral, em termos de ruídos hipoativos ou hiperativos.

Percussão:

Percussão direta: é realizada utilizando uma das mãos ou os dedos, afim de estimular diretamente a parede abdominal por tapas.

Percussão indireta: utilizando o plexímetro e o plexor. Inicia-se levemente a percussão no quadrante inferior direito prosseguindo-se pelos demais quadrantes no sentido horário, até percorrer toda área abdominal.

Em geral, predomina os sons timpânicos definidos como sons claros e de timbre baixo, semelhantes a batida de um tambor devido ao conteúdo de gás das vísceras ocas do trato gastro-intestinal. Esses são encontrados sobre o estomago vazio e sobre os intestinos.

Maciez ou sub maciez, sons breves, com timbre alto, são percebidos sobre órgãos sólidos como o fígado, o baço ou sobre vísceras preenchidas por líquidos ou fezes.

Ao percutir um paciente com abdome distendido, que apresenta hipertimpanismo sifuso, deve-se ter em mente a possibilidade de uma obstrução intestinal.

Palpação abdominal é realizada por meio da palpação superficial e profunda que auxiliam na determinação do tamanho, forma, posição e sensibilidade da maioria dos órgãos abdominais alem da identificação de massas e acumulo de fluidos. Os quadrantes devem ser palpados em sentido horário reservando-se para o final do exame aquelas áreas previamente mencionadas como dolorosas ou sensíveis.

 

A palpação superficial é iniciada mantendo-se os dedos de uma das mãos estendidos, fechados entre si, e com a palma da mão e o antebraço em plano horizontal, pressiona-se de forma delicada a superfície abdominal, aproximadamente 1 cm, com movimentos suaves, evitando-se golpes súbitos. Assim, além de contribuir para o relaxamento do paciente, a enfermeira vai determinando as condições gerais da parede abdominal, identificando grosseiramente massas ou órgãos superfícies, áreas de sensibilidade dolorosa, alem de reconhecer a contratura muscular reflexa.

 

A palpação profunda é usada para delimitar mais precisamente os órgãos abdominais e detectar massas menos evidentes. Com o paciente respirando pela boca, a parede abdominal é deprimida em profundidade a cada expiração, procurando-se perceber, com maior pressão dos dedos, tamanho, forma, consistência, localização, sensibilidade, mobilidade e palpações de órgãos ou massas.

 

Procedimentos especiais

 

Avaliação da dor abdominal, sugestiva de irritação peritoneal, a pesquisa do sinal de descompressão brusca dolorosa é de grande valor.

Durante a palpação superficial e profunda, for detectada alguma área de sensibilidade dolorosa, o teste deve ser feito. Assim, evitando as áreas mais dolorosas, aplica-se com os dedos uma compressão lenta e profunda no abdome para, então, subitamente suspender a mão, soltando a parede abdominal. Observando as reações do paciente, pede-se, também, que compare a intensidade de dor sentida durante a compressão com aquela sentida na descompressão. A descompressão brusca pode ser acompanhada de dor intensa e aguda, descrita como lancinante ou em facada, sendo devida ao rebote das estruturas internas contra um peritôneo inflamado, causando por apendicite aguda, colecistite aguda, pancreatite, diverticulite ou lesão peritoneal.

A descompressão brusca dolorosa, quando ocorre no ponto de Mc Burney (ponto médio entre a cicatriz umbilical e crista ilíaca direita), é conhecida como sinal de McBurney e indicativo de apendicite aguda.

Sinal de Rosving é identificado pela palpação profunda e continua do quadrante inferior esquerdo que produz dor intensa no quadrante inferior direito, mais especificamente, na fossa ilíaca direita, sinal esse também sugestivo de apendicite aguda.

Sinal de Murphy deve ser pesquisado quando a dor ou a sensibilidade no quadrante superior direito sugerirem colecistite. Ao comprimir o ponto cístico, solicita-se ao paciente que inspire profundamente. A resposta de dor intensa no ponto pressionado e a interrupção súbita da inspiração caracterizam o sinal de Murphy, indicativo de colecistite aguda.

Sinal de Jobert é encontrado quando a percussão da linha axilar média sobre a área hepática produz sons timpânicos ao invés de maciços, indicando ar livre na cavidade abdominal por perfuração de víscera oca.

 

Fígado pode ser palpado por meio de duas técnicas.

Primeira técnica bimanual, exige palpação com uma das mãos e pressão em sentido contrario com a outra mão. É realizado com o examinador posicionado à direita do paciente com a mão esquerda sob o tórax posterior direito, na altura da 11ª e 12ª costelas. A mão direita é colocada sobre o abdome, com os dedos estendidos apontados para a cabeça e com as pontas dos dedos tocando a linha média clavicular, logo abaixo do rebordo costal direito. A mão direita exerce compressão para dentro e para frente, enquanto a mão esquerda pressiona o tórax posterior para cima e o paciente inspira profundamente, deslocando o fígado para baixo, tentando-se sentir sua borda. Um fígado normal será indolor e deverá ter uma borda fina, cortante ou romba, firme, macia e lisa.

Segunda – enfermeiro se posiciona próximo ao tórax superior direito do paciente, voltado na direção de seus pés, palpando o abdome na linha do rebordo costal direito com os dedos das duas mãos curvados. Solicita-lhe que inspire profundamente, ao mesmo tempo em que pressiona a parede abdominal para dentro e para cima. Se o fígado for palpável, sua borda poderá ser sentida pelas pontas dos dedos, à medida que desliza para dentro do abdome durante a inspiração.

 

Ascite: corresponde ao acumulo de fluidos na cavidade peritoneal, em geral devido à doença hepática avançada, insuficiência cardíaca, pancreatite ou câncer, determinando um abdome proeminente com aumento na circunferência abdominal e submacicez à percussão dos flancos.

Confirmar com duas teorias:

Percussão do abdome com o cliente em decúbito lateral, pode-se perceber a diferença entre o som timpânico e maciço, devido ao deslocamento gravitacional do conteúdo liquido para a parte mais baixa da cavidade peritoneal, em relação ao conteúdo de gás do cólon, que permanece na mais alta. Assim devem predominar os sons maciços no lado do abdome em contato com a superfície da cama, enquanto o som timpânico é encontrado no lado oposto.

A outra técnica exige que uma terceira pessoa, ou pelo menos o próprio paciente, coloque a borda lateral externa das mãos sobre a linha média do abdome, exercendo pressão moderada, porém firme. A enfermeira aplica golpes rápidos com a ponta dos dedos de uma mão sobre um dos flancos, enquanto com a outra mão espalmada sobre o flanco oposto palpa o impulso da onda liquida assim transmitido.

 

Planejamento do exame físico do abdome

 

Preparando o ambiente – o ideal seria um sala de consultório, com iluminação adequada, que seja ventilada e garanta a privacidade do cliente, devendo evitar corrente de ar durante o exame. Na ausência desta sala, o exame pode ser realizado no leito, tendo o cuidado de utilizar um biombo de proteção.

 

Preparo do material – a enfermeira deve ter a sua disposição materiais como balança antropométrica, estetoscópio, régua milimetrada (20 cm), fita métrica, caneta marcadora, travesseiro pequeno, relógio com marcador de segundos e luvas para procedimentos, se necessário.

Preparo do cliente – é necessário que o cliente esteja com a bexiga vazia. A posição mais adequada é o decúbito dorsal, tendo os braços estendidos ao longo do corpo. Um travesseiro pequeno deve ser colocado sob a cabeça e outro sob os joelhos. Toda área abdominal deve ser exposta, poupando-se os genitais. Para completar o exame, a região posterior do abdome também deve ser examinada, principalmente quando se pretende avaliar órgãos  retroperitoneais como os rins. Para tal solicita-se ao cliente para que se sente no leito ou na mesa de exame.

Compete ao enfermeiro dialogar com o cliente, proporcionando-lhe condições para que se sinta confortável e, com isso, mais relaxado para o exame. Alem disso, que tenha unhas aparadas e as mãos aquecidas. Preocupando-se em aquecer, também o diafragma do estetoscópio.

 

 

 

[ Yahoo! ] busca avançada

E-mail de contato:

 

Todos os direitos reservados - desde 22/09/2004

1
Hosted by www.Geocities.ws
GridHoster Web Hosting