intro.gif (2169 bytes)

Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso

 

or_bar.gif (1182 bytes)

 

MU'AWIYAH

 

l_brown.gif (101 bytes)

 

O califado de 'Ali estava tomado pelo grito de vingan�a que se levantou contra o assass�nio de Osman. Um membro da tribo om�ada, Muawiah, iniciou a agita��o contra 'Ali  e, para isso, ele contava com o apoio de um grupo de extremistas,  que havia se separado de 'Ali, os carijitas, al�m de outros grupos que representavam   os cidad�os respeit�veis de  Medina, como Talha e Zubair, que j� vinham protestanto desde o tempo de Osman. Os membros dessa fac��o carijita negavam ao Coraix o direito de governar o califado, acreditando que essa incumb�ncia n�o era um direito heredit�rio e sim uma tarefa que deveria ser desempenhada pelo mais piedoso da comunidade.

Muawiah continuava descontente. Ele era sobrinho de Osman, o califa om�ada assassinado, e tinha sido governante da S�ria e da Palestina por quinze anos. Ele achava que, antes de qualquer ato por parte de 'Ali , o califa eleito para substituir Osman, tinha que ser feita uma investiga��o para se apurar os fatos. Ap�s a Batalha do Camelo, que havia sido vencida por 'Ali, Muawiah come�ava a perceber que os cidad�os de Medina dificilmente conseguiriam destitui-lo do califado. Agora Muwaiah era um homem poderoso, governava a S�ria, tinha o seu pr�prio ex�rcito e era o chefe da Casa Om�ada. Muawiah come�ou a exigir vingan�a pela morte de Osman. Ele dizia que a desforra se fazia necess�ria n�o por Osman pertencer ao cl� dos om�adas, mas porque ele era um m�rtir inocente e o seu sangue clamava por vingan�a. Em todos os epis�dios, 'Ali tinha mostrado grandeza com Muawiah, permitindo que ele continuasse a governar a S�ria, n�o obstante toda a oposi��o que Muawiah fazia a ele. Depois disso, Muawiah foi cada vez mais  congregando os sentimentos de insatisfa��o que dominavam Medina e em 661 d.C, Al Hasan, filho de 'Ali e o quinto califa, renunciou e Muawiah foi reconhecido como califa, o primeiro da linhagem om�ada. Ele conseguiu consolidar seu poder e  tornar-se governante absoluto do Islam, indicando, inclusive, seu filho Yazid para suced�-lo. 

Governar um imp�rio em expans�o implicava alguns compromissos com a lei e o modo de vida isl�micos, j� na �poca   considerados dilu�dos, em raz�o do r�pido crescimento do Islam. A quest�o principal era se o mundo �rabe seria dominado pelo Islam ou pelas pol�ticas e leis mais antigas dos bizantinos e sass�nidas. Era complicado por causa do pluralismo dos cl�s tribais  e das lealdades num vasto imp�rio.

A revolta de Husein, filho de 'Ali e neto do Profeta,  contra a indica��o de Yazid, filho de Muawiah, na verdade significou a divis�o do Islam entre sunitas e xiitas. Os mu�ulmanos xiitas faziam uma distin��o entre autoridade religiosa e autoridade pol�tica. O imam deveria ser o l�der da comunidade, deveria interpretar a lei moral isl�mica  e tinha que ser um descendente direto do Profeta. Os sunitas, por sua vez, achavam que o consenso da comunidade, ou dos s�bios religiosos, � que deveria guiar a comunidade mu�ulmana. Com o advento dos om�adas, contudo, as preocupa��es e problemas inerentes � administra��o de um grande imp�rio come�aram a prevalecer entre os califas, muitas vezes at� �s custas das preocupa��es religiosas, o que incomodava aos muitos mu�ulmanos devotos. Isto n�o quer dizer que os valores morais fossem ignorados ou relegados, pelo contr�rio, eles se fortaleceram por s�culos. Mas, n�o eram a preocupa��o principal,  embora  j� na �poca de Muawiah o papel do califa como "Defensor da F�" exigisse cada vez  mais  aten��o redobrada.

Muawiah foi um administrador capaz e mesmo seus cr�ticos s�o un�nimes em afirmar que ele possu�a um elevado grau de hilm, uma qualidade que pode ser definida como "modera��o civilizada" e que ele pr�prio certa vez descreveu nessas palavras:

"N�o uso minha espada onde meu chicote basta, nem meu chicote onde minha l�ngua � suficiente. E mesmo se houver um fio de cabelo me  unindo aos meus companheiros, eu n�o deixo que se parta: quando eles puxam eu afrouxo, e se eles afrouxam eu puxo."

Mas Muawiah jamais foi capaz de reconciliar a oposi��o ao seu governo, nem de resolver o conflito maior com os xiitas. Esses problemas n�o se resolveram enquanto Muawiah viveu, e depois de sua morte, em 680 d.C, os partid�rios de 'Ali, com  a luta que atormentou os om�adas por todo o s�culo seguinte, espalharam-se pelo norte da �frica e Espanha.

 

back1.gif (279 bytes)


home.gif (396 bytes)


Hosted by www.Geocities.ws

1