intro.gif (2169 bytes)

Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso

 

or_bar.gif (1182 bytes)

 

BATALHA DE SIFFIN E O PROCESSO DE ARBITRAGEM

 

l_brown.gif (101 bytes)

 

O l�der dos om�adas, Muawiyah, continuava descontente. Ele achava que antes de qualquer ato por parte de 'Ali, o califa eleito para substituir Osman, tinha que ser feita uma investiga��o para se apurar os fatos. Ap�s a Batalha do Camelo, que havia sido vencida por 'Ali, Muawiyah come�ava a perceber que os cidad�os de Medina dificilmente conseguiriam destituir 'Ali. Agora Muwaiyah era um homem poderoso, governava a S�ria, tinha o seu pr�prio ex�rcito e era o chefe da Casa Om�ada. Muayiyah come�ou a exigir vingan�a pela morte de Osman. Ele dizia que a desforra se fazia necess�ria n�o por Osman pertencer ao cl� dos om�adas, mas porque ele era um m�rtir inocente e o seu sangue gritava por vingan�a.

Muawiyah, na busca de apoio,  mostrou a camisa de Osman manchada de sangue para   o povo. Muitas pessoas em  Medina achavam que era o ressurgimento da velha rivalidade entre  os om�adas e os hashimitas, mas se sentiam impotentes para fazer qualquer coisa. Logo Muawiyah se sentiu forte o suficiente para enfrentar 'Ali. Mandou seu ex�rcito na dire��o leste enquanto 'Ali foi com suas tropas na dire��o norte. Os dois ex�rcitos se encontraram em Siffin, que fica na regi�o nordeste da S�ria. Muawiyah tinha um ex�rcito forte mas 'Ali era um comandante mais experimentado. Assim que se encontraram, Muawiyah percebeu que n�o conseguiria vencer 'Ali t�o facilmente e imaginou um estratagema. Ordenou que seus soldados amarrassem o Alcor�o em suas lan�as  e  as levantassem no ar, e eles assim o fizeram. 'Ali quando viu aquilo disse aos seus homens que se   tratava de uma artimanha, mas eles n�o quiseram lutar  contra aqueles que seguravam o Alcor�o e a luta cessou.

A ARBITRAGEM

Muawiyah, ent�o, prop�s uma arbitragem: ele e 'Ali escolheriam cada um, uma pessoa encarregada de decidir a quest�o. 'Ali concordou porque n�o queria mais derramamento de sangue, mas diversos de seus soldados n�o ficaram satisfeitos. Eles argumentaram  que uma vez que 'Ali estava  certo n�o havia motivo para que a quest�o  fosse decidida por quem quer que seja. Esses soldados pertenciam ao partido dos puritanos (carijitas), e queriam viver de acordo com uma interpreta��o literal da palavra de Deus. Por esse motivo, achavam que a arbitragem pertencia a   Deus, e que se  'Ali aceitasse estaria cometendo um grande erro e que eles n�o mais o apoiariam. Outros disseram que se 'Ali aceitasse a arbitragem ele iria perder todo o prest�gio, porque estaria se nivelando a Muawiyah, que era um subordinado seu e agora um rebelde, uma vez que tinha se levantado contra o  Califa.   Parecia a eles  que 'Ali tinha aceitado o fato de Muawiyah ter uma causa, quando n�o verdade n�o tinha nenhuma. O que foi pior, 'Ali fez uma escolha ruim. Muawiyah escolheu um amigo seu, Amr ibn al-As e 'Ali uma pessoa neutra, Musa-al-Ashari. Musa, embora um conhecido companheiro  do Profeta, n�o era um grande amigo de 'Ali.

Mas o fato � que Abu Musa s� participava de lutas contra os ex�rcitos dos mushrikin, daqueles que tentavam se opor � religi�o e apagar a luz da f�. Quando a disc�rdia irrompeu entre os mu�ulmanos, ele quis assumir  uma posi��o neutra. Esta foi a sua posi��o no conflito que se estabeleceu entre 'Ali e Muawyiah.  Por causa desse conflito e por causa de seu papel como �rbrito que Abu Musa � mais conhecido.

Quando 'Ali aceitou a arbitragem,  ele quis, inicialmente, que Abdullah ibn Abbas o representasse, mas boa parte de seus seguidores insistiram em que fosse Abu Musa. A raz�o para essa escolha estava no fato de que, desde o in�cio, Abu Musa tinha mantido uma posi��o de neutralidade na disputa. 'Ali n�o duvidava da sinceridade e devo��o deAbu Musa.  Mas ele conhecia a ast�cia do outro lado e que provavelmente eles se sairiam com algum estratagema e trai��o. Ele tamb�m sabia que Abu Musa, apesar de seu esp�rito compreensivo, n�o suportava fraudes e conspira��es, e sempre lidava com as pessoas na base da confian�a e honestidade, e n�o atrav�s de artimanhas. Portanto, 'Ali temia que Abu Musa pudesse ser iludido pelos outros e que a arbitragem terminasse com a vit�ria da ast�cia contra a honestidade e que a situa��o ficasse pior do que j� estava.

O resultado foi que os arbitrantes tomaram uma decis�o curiosa: anunciaram que tanto Muawiyah quando 'Ali deveriam renunciar. Esta decis�o representou  uma  condena��o para 'Ali porque Muawiyah era um subordinado seu e havia se rebelado contra o Califa e, como tal, n�o poderia mais continuar em seu cargo. Assim, o  veredicto foi, na verdade, contra 'Ali e, por isso, ele n�o   aceitou, assim como Muawiyah tamb�m n�o. Ambos ex�rcitos se retiraram e a situa��o   continuou a mesma. A perda de 'Ali, contudo, foi dupla, porque Amr ibn al-As passou a aceitar abertamente Muawiyah como o Califa de fato.

 

Fonte:

"A Short History of Islam" - S.F.Mahmud

back1.gif (279 bytes)


home.gif (396 bytes)


Hosted by www.Geocities.ws

1